Recordar é viver

 PAI Vila Formosa promove encontro para compartilhamento de vivências entre idosos

PAI PARII

 Dona Durvalina relembra momento vivenciado com a família

 

Por meio de uma reunião informal entre a equipe e os usuários atendidos pelo Programa Acompanhante de Idosos (PAI) Vila Formosa, os assistidos foram convidados a relembrar, por meio de registros fotográficos, momentos especiais de sua vida. 

Durante o encontro, realizado na residência de uma das usuárias, a equipe apresentou as imagens que os próprios idosos haviam selecionado para a ocasião e convidou os donos das imagens a compartilhar com os colegas a memória que aquela fotografia representava. Imagens de casamento, aniversário e almoço em família foram algumas das recordações apresentadas.

PAI PARIII

Idosa atendida pelo PAI relembra momentos de sua vida

 

Além disso, a equipe auxiliava os idosos a se lembrarem de como entraram no Programa e as experiências vivenciadas com os profissionais.

O senhor Carlos, atendido há três anos pelo PAI Vila Formosa, apresentou uma foto com a irmã, que faleceu sob seus cuidados. O usuário falou sobre a dificuldade de perder parentes e ter de enfrentar a vida sozinho – ou ainda tendo de cuidar de familiares que necessitam de cuidados – quando ele mesmo, pela idade avançada, precisa de atenção especial. 

PAI PARIIII

 Sr. Carlos compartilha vivências com os presentes

 

No caso dele, a equipe o ajudou a acolher a irmã, que, além de ser portadora de Alzheimer, possuía um ferimento na cabeça que precisava de curativos feitos por profissionais. Ao abrir as portas de sua casa para o Programa, Carlos pôde contar com a equipe, inclusive, para um mutirão de limpeza na residência e a devida assistência em saúde para o delicado quadro de sua irmã. Quando o inevitável ocorreu, os integrantes do PAI o auxiliaram nas questões burocráticas do velório e do enterro. 

“Nosso trabalho foca autonomia e independência; trabalhamos com as atividades da vida diária, e o que ele [o idoso] não consegue fazer sozinho, a gente ajuda”, esclarece Ivone Gonzalez Mendes, Coordenadora do PAI Vila Formosa. 

Outra situação que merece ser lembrada é a da dona Luzia, cujo marido, em situação de extrema fragilidade, não desejou ser hospitalizado. A equipe respeitou sua decisão e ofereceu todos os cuidados necessários para que seus últimos dias fossem o mais confortáveis possível. Orientações quanto à medicação e até ao banho foram algumas das atividades realizadas por Cuidadores, Médica e Enfermeira do Programa.

Dona Clélia e dona Maria de Fátima apresentaram fotos com suas netas e compartilharam o motivo com o grupo. Dona Clélia, por ser portadora de uma doença que causa tumores, passou por uma cirurgia que a deixou em coma e, ao acordar, a primeira coisa que relatou ter pensado foi: “Deus, me ajude a ver minhas netas crescerem”. Já dona Maria de Fátima compartilhou a felicidade de ter a neta em seus braços pela primeira vez após a pequena ter passado seus primeiros dias internada por ter nascido prematuramente.

Após o momento das lembranças, a equipe distribuiu caixinhas de presente e solicitou que os idosos fechassem os olhos e imaginassem a pessoa mais importante de sua vida, pois o retrato desse alguém estaria ali dentro. Ao abrir a embalagem, um espelho refletia a imagem do próprio usuário, reforçando o quanto cada um é especial.

A atividade seguinte contou com a apresentação de um poema de Paulo Mendes Corrêa sobre ser idoso. “Valorizemos o idoso / Aprendendo a respeitar / Porque num belo dia / A velhice vai nos achar”, diz uma das estrofes. 

Por fim, todos foram convidados a confraternizar ao participarem de um chá da tarde, o que ocorre uma vez por mês. Em sua maioria, os encontros são informativos, e a equipe aborda questões como hipertensão, diabetes e prevenção de quedas.

PAI PARIIV

 Mesa de chá

 

No entanto, esporadicamente, as reuniões são voltadas para a integração e o entretenimento, como foi o caso da edição de agosto do Chá dos Idosos. Isso porque, em muitos casos, o único momento de descontração a que esses usuários têm acesso é o que o PAI proporciona. “Vejo que a depressão é uma patologia muito incidente, e com esses encontros a gente percebe melhora. Muitos deles deixam de tomar a medicação por causa desses encontros. Lazer e saúde combinam totalmente”, conclui Ingrid Carolina Moura Fornazzaro, Geriatra.

PAI PARIV

 

PAI PARIVI

 

 

 

Dona Durvalina relembra momento vivenciado com a família